Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes para aprimorar ainda mais a sua experiência em nosso site. Consulte nossa Política de Privacidade para obter mais informações. Ao usar nosso site, você concorda com o uso de cookies.

CSA | Brasil
Sítio Flora Bioativas e o Projeto CSA A CSA, ou Comunidade que Sustenta a Agricultura, é um modelo de agricultura solidária que existe há pelo menos 50 anos em vários países. Nele, o agricultor deixa de vender seus produtos através de intermediários e grandes comerciantes e conta com membros consumidores (você) para financiar a sua produção de alimentos orgânicos, colaborando para o desenvolvimento sustentável da região e estimulando preços justos. Dessa forma, o produtor pode se dedicar de forma livre a sua produção, sem a pressão do mercado, e os membros consumidores recebem produtos de qualidade, direto do sítio, sabendo quem os produz e aonde são produzidos. Existem diversas iniciativas de CSA no Brasil – acesse csabrasil.org, procure a mais próxima de você e entre em contato! Além disso, você não contribui com a cultura do AGROTÓXICO! Os agrotóxicos utilizados na produção da maioria dos alimentos no Brasil causam danos, ao meio ambiente e à saúde do produtor rural e do consumidor. Sempre que possível, dê preferência aos alimentos agroecológicos ou orgânicos. Porque Participar da CSA? Alimentos orgânicos frescos, provenientes de uma agricultura local e sustentável. Saber de onde, como e por quem nossos alimentos são cultivados. Alimentos orgânicos com apreço e preços mais acessíveis. Você se torna parte do processo, um Co-agricultor. Valorização da profissão de agricultor. Manutenção da biodiversidade e preservação do meio ambiente. Como participar da CSA Sítio Flora Bioativas? 1. Quem pode participar? Qualquer pessoa que queira se alimentar melhor, trazendo mais saúde para seu dia a dia. 2. Qual o tempo mínimo para ficar na CSA? Sugerimos que fique pelo menos por 6 meses – assim fechamos um ciclo completo de produção – você vai se encantar! Somos responsáveis por aquilo que cativamos e, nesse caso, cultivamos! 3. Como proceder quando eu não puder buscar minha cesta? Avise o coordenador da sua região com antecedência: produto colhido não pode voltar para terra. Você pode doar para uma escola, asilo, vizinho… eles vão adorar! Alguém da CSA pode levar pra casa e você busca no dia seguinte. 4. Posso escolher os produtos ou troca-los? Na CSA, você é estimulado a conhecer novos alimentos e testar novos modos de preparo. Nós colhemos o que a terra nos dá, quando ela dá. NÃO temos como garantir a quantidade exata do que estará disponível a cada semana, pois estamos todos nós, sujeitos às intempéries do tempo. 5. Qual o investimento necessário? Com pagamento antecipado via PIX ou depósito bancário, o valor é de R$ 300,00 (Trezentos Reais), que equivalem a 4 ou 5 cotas – 1 por semana – dependendo da quantidade de semanas do mês. 6. Onde e quando busco minha a cesta? Não há entrega domiciliar ou individual: você deve comparecer nos locais parceiros, já pré determinados: • Tijucas: Entrega a domicílio (a partir das 7h); • Porto Belo: Entrega a domicílio (a partir das 9h); • Bombinhas: Entrega a domicílio (a partir das 10h30) • Itapema/Meia praia  – Makaranda, Rua 252 nº 484 (a partir das 9h30); • Balneário Camboriú: ON Orgânicos e Naturais, Av. Brasil, 2480 - Centro (a partir das 10h); • Itajaí: Restaurante Univital Alimentação Natural Rua Felipe Schmidt, 40 - Centro, Itajaí/SC(a partir das 11h); • Brusque: Isalí Orgânicos (a partir das 12h); • São João Batista: Loja Nutritiva Armazém (após as 14h); 7. E se por algum motivo eu não quiser mais participar da CSA, como proceder? Favor avisar com 1 mês de antecedência e, se possível, indicar alguém para lhe substituir. 8. E o que vem na cesta semanal? Uma cesta vem com 10 a 14 itens contendo hortaliças, PANC, verduras, chás, temperos, raízes, legumes, flores e frutas. O número de itens poderá variar em cada cesta. Toda semana pode mudar! 9. Ok, quero fazer parte desta comunidade e ser um CO-AGRICULTOR! E agora? Precisamos de seus dados: Nome completo, e-mail, telefone e CPF – para cadastro. Precisamos do seu numero de WhatsApp para lhe adicionar ao grupo onde são repassadas as informações. Quero participar! Quais são as responsabilidades do agricultor? (Sra. Noeli, Sr. Edemir, Alisson e demais colaboradores) Ao todo, quase 100 famílias são atendidas pela CSA Sítio Flora Bioativas, localizado em Porto Belo. Na CSA, o agricultor estabelece compromisso de compartilhar de forma transparente as informações sobre seus reais custos de produção, suas necessidades e capacidades de produção (quantidades e diversidade). As portas da propriedade estarão sempre abertas aos co-agricultores e familiares para que possam visitar e conhecer a área de produção da qual fazem parte. Necessitando apenas que marquem uma data e hora para visita. O agricultor se compromete ainda a respeitar os modos de produção acordados com os co-agricultores. Quais são as responsabilidades dos co-agricultores? Os co-agricultores se comprometem a financiar coletivamente a produção, através da mensalidade – sendo necessário o pagamento até o dia 10 de cada mês. Além disso, os co-agricultores são responsáveis pela organização da comunidade, da comunicação e da convivência. Cestas Mensais Seja um co-agricultor e leve mais saúde para sua família Variação de produtos se dá conforme a época do ano: Leguminosas Frutas Temperos Chás Raizes Plantas Bioativas Flores comestíveis de 10 à 14 produtos Cesta Cota única R$300,00/mês 4 ou 5 cestas, dependendo da quantidade de semanas do mês. Pagamento antecipado. Até 30 cotas por município. Entrega todas às quartas-feiras.
Postado em 07/07/2022
Ora-pro-nóbis,a planta rica em proteína
O Sítio Flora Bioativas foi o primeiro a cultivar a planta no Sul do Brasil. O cultivo é de forma orgânica, o que aumenta a riqueza da planta rica em proteína e outras nutrientes Os mineiros conhecem bem a riqueza do ora-pro-nóbis, presente na culinária e no quintal das casas em municípios como Sabará, região metropolitana de Belo Horizonte. O cacto folhoso é tão importante por lá que ganhou até uma festa todinha em homenagem a ele. O Pereskia Aculeata, nome científico da planta já foi chamado até de “bife dos pobres” devido ao valor nutricional. É um alimento rico em proteína e ferro, de um valor proteico que pode substituir a carne. Possui ácido fólico que ajuda como por exemplo na gravidez, contribui para a prevenção da anemia, age como anti-inflamatório, tem capacidade antioxidante, auxilia no combate ao colestol ruim e também no controle da diabetes, funciona também como analgésico, além de ter um valor elevado de proteína, o que pode ser um complemento na alimentação de veganos e vegetarianos. Devido a riqueza nutricional, o ora-pro-nóbis é considerado um super alimento. A beleza do ora-pro-nóbis florido e um espetáculo a parte dessa planta tão importante para a nutrição O Sítio Flora Bioativas foi a primeira propriedade rural no Sul do Brasil a cultivar a planta. Desde 2008, uma grande parte da lavoura do sítio no Sertão do Valongo em Porto Belo, no litoral catarinense, é reservado para o cultivo orgânico do ora-pro-nóbis. Além das folhas in natura, vendidas em feiras e que é um ingrediente nas cestas dos cotistas da CSA (Comunidade que Sustenta a Agricultura), a planta também é desidratada, transformada em farinha usada na culinária para enriquecer os alimentos, servida também no complemento nutricional na merenda escolar de pelo menos 4 municípios catarinenses. Além disso, a versão em cápsulas da planta desidratada, facilita a absorção dos nutrientes do ora-pro-nóbis.
Postado em 07/06/2022
Feira de orgânicos do sítio leva saúde à mesa
Na pandemia, uma alimentação produzida sem uso de defensivos é recomendada por especialistas. O Governo Federal iniciou uma campanha na segunda-feira para o consumo de orgânicos. Verduras, hortaliças, frutas e plantas alimentícias não convencionais cultivadas no Sítio Flora Bioativas em Porto Belo estão ao alcance num espaço no centro de Balneário Camboriú .   Já virou tradição. Todas as segundas e quintas-feiras, produtos orgânicos com selo de classificação, cultivados no Sítio Flora Bioativas em Porto Belo podem ser adquiridos num espaço no centro de Balneário Camboriú. São alface, couve, brócolis e uma infinidade de outros produtos produzidos sem a adição de defensivos químicos, que fazem bem à saúde. O Sítio Flora Bioativas ainda cultiva de forma orgânica plantas alimentícias não convencionais como ora-pro-nóbis e açafrão da terra, as plantas para uma alimentação biodinâmica. À disposição na feira do sítio, in natura, em farinha ou cápsula, o açafrão da terra, conhecido também cúrcuma. É muito utilizado na culinária, mas também é estudado como rico em propriedades medicinais que auxiliam nas atividades anti-inflamatória, ação antioxidante, redução do nível de glicose, redução de fatores de risco associados a doenças cardiovasculares , tratamento do mal de Alzheimer e prevenção ao câncer. Produtos sem insumos químicos auxiliam na melhora da qualidade de vida tendo como base a alimentação. Sem tratamento químico, esses alimentos crescem com uma constituição nutricional ideal. Para a engenheira agrônoma Dalva Schuch que trabalha no ensino do cultivo de orgânicos, o consumo desses alimentos traz benefícios à imunidade e à saúde porque são cultivados livres de venenos. O incentivo ao consumo de orgânicos vem de iniciativas como a da proprietária do espaço Flor de Oliva, Karin Schaefer, onde a feira vai se realizar. Parceira do Sítio Flora Bioativas, a enfermeira  trabalha com o conceito do consumo inteligente e responsável que reflita na saúde e qualidade de vida. Governo incentiva o consumo de orgânicos durante a pandemia Para incentivar a cadeia produtiva, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento lançou, na segunda-feira (8), a 16ª Campanha Anual de Promoção do Produto Orgânico, realizada desde 2005. O tema da campanha deste ano é “Tem alimento saudável perto de você. Alimento Orgânico- melhor para a vida” e tem como foco estimular a construção e a divulgação de redes de produtores orgânicos para comercialização durante a pandemia do novo Coronavírus. Noeli Pinheiro na colheita de orgânicos no Sítio Flora Bioativas  O tema da campanha deste ano é “Tem alimento saudável perto de você. Alimento Orgânico – melhor para a vida” e tem como foco estimular a construção e a divulgação de redes de produtores orgânicos para comercialização durante a pandemia do novo Coronavírus. As campanhas também buscam esclarecer os consumidores sobre como é feito o controle de qualidade dos orgânicos e como identificar esses produtos. Para serem comercializados, os orgânicos devem ser certificados pelo ministério. São dispensados da certificação os produzidos por agricultores familiares que fazem parte de organizações de controle social cadastradas no ministério, que comercializam exclusivamente em venda direta aos consumidores. A agricultura orgânica baseia sua produção na agroecologia, que possibilita a produção de forma ambientalmente sustentável e oferece alimentos saudáveis isentos de contaminantes. Isso porque não utiliza práticas e insumos que possam colocar em risco o meio ambiente e a saúde do produtor, do trabalhador ou do consumidor.   Feira de produtos orgânicos do Sítio Flora Bioativas Local: Espaço Flor de Oliva Endereço: Rua 1926, 131, Centro, Balneário Camboriú Dias e horários: segundas e quintas-feiras das 10h às 16h Traga sua máscara e sua ecobag
Postado em 07/06/2022
Sítio Flora Bioativas em Porto Belo é uma imersão ao que a terra produz em benefício da saúde
O local tem 168 plantas medicinais e alimentícias não convencionais que despertam o interesse do visitante que busca mudanças de hábito e qualidade de vida no uso de produtos sem agrotóxico. Na propriedade se  descobre várias plantas que no dia a dia nem se percebe o valor que têm e o quanto auxiliam como medicamento e também na alimentação. No local se cultiva verduras e frutas orgânicas, tubérculos como o Tupinambor e Panc’s, as plantas alimentícias não convencionais como o ora-pro-nóbis, uma espécie de cacto folhoso, usado para comer com salada, refogado ou transformado em farinha para usar como complemento de proteína e até mesmo fazer pães e bolos. A enfermeira Noeli Pinheiro começou a pesquisar as plantas medicinais e nutracêuticos, quando trabalhava na secretaria de saúde do município de Rancho Queimado, na região da Grande Florianópolis. A enorme quantidade de medicamentos receitada à população chamou a atenção da profissional que resolveu convencer outros profissionais de saúde a receitarem as plantas medicinais já com a eficácia comprovada. Quando ela e o marido,  o engenheiro florestal. Edemir Martinhago, resolveram fazer do sítio em Porto Belo, um local de cultivo de produtos orgânicos e plantas alimentícias não convencionais, foram incentivados por um projeto da Epagri. Hoje, além de cultivar as espécies, transformam em outros produtos, como farinha para enriquecer outros alimentos. Fornecem também para merenda escolar de escolas da região. O solo fértil faz desenvolve plantas de alta qualidade nutricional como o ora-pro-nóbis que já foi avaliado como excelente no cultivo feito no Flora Bioativas. Com 25% de proteína, a planta em alguns locais como cidades de Minas Gerais é chamada o “bife do pobre”. As riquezas vão desde a proteína até concentrados de vitaminas. A farinha que é produzida da planta, feita no sítio, serve para misturar na massa do pão ou em alimentos do dia a dia. Outra planta cultivada é o Tupinambor, uma raiz terapêutica rica em inulina, um tipo de açúcar que é digerido pelo intestino e tem propriedades para o aparelho digestivo.  A proprietária do sítio costuma dizer que essas plantas bioativas, por causa de estudos comprovados, chegam a curar. “A terra nos cura. O remédio remedia e as plantas têm o poder curativo”. As plantas medicinais e alimentícias não convencionais são pesquisadas como forma de prevenção e auxílio as doenças. O Ministério da Saúde mantém a Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e fitoterápicas. Através do RENAME, a Relação Nacional de Medicamentos Essências, o SUS disponibiliza medicamentos fitoterápicos. Plantas com eficácia comprovada pela ANVISA, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Postado em 07/06/2022
Entrega de produtos orgânicos em domicílio já é uma realidade na região
Sítio Flora Bioativas em  Porto Belo aposta na venda pela internet e no sistema de delivery para levar orgânicos à mesa do consumidor Uma variedade de produtos cultivados no Sítio Flora Bioativas em Porto Belo leva saúde à mesa. São hortaliças, frutas e plantas alimentícias não convencionais cultivadas sem o uso de defensivos agrícolas que agora estão ao alcance de que opta por uma alimentação mais saudável e livre de agrotóxicos. A aposta em um site e no sistema de delivery é uma forma de melhor distribuir os produtos. Uma parceria também garante que outros produtores possam fazer do site, uma vitrine de vendas para propagar a ideia de  aumentar o consumo de orgânicos. O que  não se produz na propriedade e adquirido de parceiros com selo de certificação de orgânicos para compor a diversidade oferecida. Hortaliças como a couve-rabano e o brócolis-folhoso, além de toda a variedade convencional e as plantas alimentícias não convencionais como o ora-pro-nóbis e o peixinho garantem um cardápio nutritivo e saudável agora disponível em um clique. A facilidade da compra através da internet vem da comodidade de consumir um alimento nutritivo e que faz diferença na qualidade de vida, sem precisar sair de casa.  O sistema de delivery de orgânicos do Sítio Flora Bioativas para região segue um calendário estabelecido por cidade. Para Brusque e Itajaí, pedidos feitos até terça-feira serão entregues na quinta-feira. As vantagens de consumir orgânicos Dona Noeli Pinheiro Na pandemia, uma alimentação produzida sem uso de defensivos é recomendada por especialistas. O Governo Federal iniciou uma campanha na segunda-feira para o consumo de orgânicos. Produtos sem insumos químicos  auxiliam   na melhora da qualidade de vida tendo como base a alimentação.  Sem tratamento químico, esses alimentos crescem com uma constituição nutricional ideal. Para a engenheira agrônoma Dalva Schuch que trabalha no ensino do cultivo de orgânicos, o consumo desses alimentos traz benefícios à imunidade e à saúde porque são cultivados livres de venenos. Governo incentiva o consumo de orgânicos  durante a pandemia Para incentivar a cadeia produtiva, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento lançou, na  segunda-feira (8), a 16ª Campanha Anual de Promoção do Produto Orgânico, realizada desde 2005. O tema da campanha deste ano é “Tem alimento saudável perto de você. Alimento Orgânico – melhor para a vida” e tem como foco estimular a construção e a divulgação de redes de produtores orgânicos para comercialização durante a pandemia do novo Coronavírus. O tema da campanha deste ano é “Tem alimento saudável perto de você. Alimento Orgânico – melhor para a vida” e tem como foco estimular a construção e a divulgação de redes de produtores orgânicos para comercialização durante a pandemia do novo Coronavírus. As campanhas também buscam esclarecer os consumidores sobre como é feito o controle de qualidade dos orgânicos e como identificar esses produtos.  Para serem comercializados, os produtos orgânicos devem ser certificados pelo ministério. São dispensados da certificação os produzidos por agricultores familiares que fazem parte de organizações de controle social cadastradas no ministério, que comercializam exclusivamente em venda direta aos consumidores.  A agricultura orgânica baseia sua produção na agroecologia, que possibilita a produção de forma ambientalmente sustentável e oferece alimentos saudáveis isentos de contaminantes. Isso porque não utiliza práticas e insumos que possam colocar em risco o meio ambiente e a saúde do produtor, do trabalhador ou do consumidor.
Postado em 07/06/2022
Os sabores do mangarito, a trufa brasileira. Aprenda a fazer uma deliciosa receita com o rizoma
É uma planta alimentícia não convencional que revela sabores e saberes   Fonte: Embrapa Hortaliças Foto> Embrapa Quem o conhece não esquece jamais. Essa tem sido a voz corrente de quem já teve contato com o mangarito, que integra a numerosa família das Hortaliças Não Convencionais, parte do grupo maior das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC). Assim como outras plantas desse grupo, o mangarito vinha sendo ameaçado de extinção, um contexto que vem mudando a partir de iniciativas que estão contribuindo para o seu ressurgimento no campo e na mesa de brasileiros, muitos dos quais o guardam carinhosamente nas lembranças.  Foto:Embrapa As folhas também são comestíveis enquanto ainda tenras, e seu uso é semelhante ao da taioba, sempre bem refogada ou cozida. Os rizomas são altamente energéticos, constituídos de 20% de fécula no produto fresco ou 90% de fécula na matéria seca, e considerável teor de carotenoides totais (provitamina A), sobretudo nas cultivares de rizoma amarelo intenso. O tempo de conservação do mangarito é de 3 a 4 meses após a colheita em galpão arejado, ocorrendo posteriormente desidratação e brotação dos rizomas. Anote aí a receita de como fazer um mangarito sauteé Ingredientes 10 rizomas (300 g a 400 g) Sal, salsa, orégano e cebolinha a gosto 1 colher de sopa de manteiga Modo de preparo Lave bem os rizomas para retirada dos resíduos de terra; Em seguida, cozinhe por 5 a 10 minutos, dependendo do tamanho dos rizomas. Deixe escorrer, corte os rizomas em pedaços e frite na manteiga até ficarem dourados. Tempere com ervas.
Postado em 07/06/2022
Almeirão-de-árvore.Receita de farofa nutritiva com a hortaliça
Hortaliça folhosa da família Asteraceae, a planta é anual, ereta e vigorosa, podendo atingir 2,0 m de altura. O almeirão-de-árvore é nativo da América do Norte, sendo porém encontrado de norte a sul do Brasil. Apresenta folhas lanceoladas, por vezes lobadas ou repicadas, verde-claras lisas ou com nervuras roxas (variegadas). Tem inflorescências em capítulos, flores amarelas e sementes pretas. O almeirão pode substituir hortaliças como a couve, o espinafre e a chicória, no preparo de pratos quentes ou em saladas. As folhas inteiras ou rasgadas são refogadas em óleo de cozinha ou azeite, e temperadas com sal, alho e pimenta a gosto. Também pode ser preparado com feijão, arroz, grão-de-bico, soja, lentilha e como recheio de bolinhos, tortas e sanduíches. As folhas podem ser consumidas cruas em saladas, picadas bem fininhas e temperadas a gosto. Neste caso, lave-as antes em água corrente, deixe-as de molho por 20 minutos em 1 litro de água filtrada misturada à uma colher (sopa) de hipoclorito de sódio, em seguida enxague em água filtrada. No lugar do hipoclorito de sódio, também pode-se usar produtos específicos para higienização de hortaliças, vendidos nos supermercados e quitandas na forma de pastilhas ou líquidos. Neste caso, siga as instruções do fabricante contidas na embalagem do produto. Fonte: Embrapa Hortaliças Farofa de almeirão-de-árvore Ingredientes 5 folhas de almeirão-roxo 2 ovos Farinha de milho Óleo, alho e sal a gosto Modo de preparo Lave as folhas do almeirão-de-árvore e corte-as em tiras médias. Em uma panela, refogue o alho no óleo, acrescente as folhas e deixe cozinhar por até três minutos. Em seguida, adicione os ovos e o sal e cozinhe por mais dois minutos. Adicione a farinha de milho e misture os ingredientes.
Postado em 07/06/2022
Os benefícios da Serralha na alimentação
Dizem que é mato, mas é comestível, tem um sabor levemente amargo e agrada a muitos paladares. É considerada uma planta invasora de áreas agrícolas, pastagens, terrenos baldios e hortas e, com isso, na maioria das vezes é arrancada ou capinada durante os tratos culturais de outras culturas. A origem do nome “serralha” vem das folhas em formato de lança, e de bordas serrilhadas ou dentadas, como se tivessem sido recortadas. É uma folhosa herbácea da família Asteraceae, de porte ereto, que atinge na fase adulta até 1,20 m de altura. Apresenta folhas verdes, recortadas ou denteadas, e longas, e inflorescências em capítulos terminais com flores amarelas. É originária da Europa, mas é rústica e bem adaptada em todo o território nacional. Já fez parte da tradição alimentar do interior do Brasil, observando-se nos últimos anos interesse crescente pelo seu paladar e por suas propriedades nutracêuticas, sendo comum encontrá-la em feiras. As variedades são mantidas pelos agricultores que a utilizam empiricamente, havendo plantas com folhas mais ou menos repicadas e de portes diferentes. As folhas devem ser selecionadas, eliminando-se as danificadas ou amareladas. Em seguida, formam-se os maços para facilitar a comercialização, acondicionando-os em caixas plásticas. O transporte deve ser cuidadoso e, de preferência, em ambiente refrigerado. Apresenta consideráveis teores de proteína (2 g a 3 g/ 100 g de folhas frescas) e de carotenoides (provitamina A), e também é boa fonte de fibra alimentar. Possui teores significativos de minerais, em especial potássio, fósforo, magnésio, ferro e zinco. A serralha apresenta sabor amargo característico e é consumida refogada, em omeletes e em massas, ou também como salada. Serralha refogada Ingredientes 1 maço de serralha Óleo, alho e sal a gosto Modo de preparo Lave as folhas da serralha e retire as partes danificadas e amareladas. Corte as folhas em tiras grossas. Aqueça o óleo e refogue a serralha por aproximadamente cinco minutos.
Postado em 07/06/2022
Caruru – Mato que se come e rico em nutrientes
Foto :Embrapa Fonte: Embrapa hortaliças Amaranto (Amaranthus cruentus) Caruru (Amaranthus deflexus) Reproduzem-se por sementes, de modo fácil e intenso. Essas espécies podem ser cultivadas o ano todo, desde que haja disponibilidade de água para o estabelecimento das plantas nas fases iniciais da cultura. O sistema radicular vigoroso e o ciclo curto conferem alta tolerância a estresses hídricos. O plantio pode ser feito em canteiros, com semeio a lanço e incorporação superficial das sementes, ou em linhas espaçadas de 0,5 m – 0,6 m com 10 – 20 plantas por metro linear. Deve-se capinar e irrigar sempre que necessário. A colheita como hortaliça folhosa deve ser feita quando as plantas atingirem de 25 cm a 40 cm de altura, enquanto ainda bem tenras, arrancando-se as plantas e cortando as raízes. As plantas florescem em torno de 45 a 50 dias após o plantio e a colheita de sementes, muito apreciada no caso de algumas variedades de amaranto, é feita entre 90 e 100 dias após o plantio. Conservação e usos São plantas bastante ricas em termos nutricionais, com teores significativos de minerais, em especial ferro e cálcio, e boa fonte de proteína, com até 29 % na matéria seca. As folhas devem ser colhidas de preferência bem jovens, antes da emissão das inflorescências, quando ainda estão tenras e macias. A vida útil, assim como a maioria das folhosas, é curta, devendo ser consumida logo após a colheita ou colocadas em embalagens plásticas e armazenadas sob refrigeração, mas por períodos curtos de tempo. As sementes servem como ingrediente na fabricação de pães.   Bolinho de caruru Ingredientes 100 g de caruru (ramos jovens) 1 cebola média 200 g de mandioca cozida e amassada Sal a gosto Modo de preparo Corte os ramos de caruru e refogue rapidamente no azeite. Misture o refogado na mandioca amassada. Modele os bolinhos e aperte-os para achatar. Frite em azeite em panela antiaderente até ficar dourado dos dois lados.
Postado em 07/06/2022
Rua Marcelino Caetano, S/N - Valongo
Porto Belo/SC, 88210-000
+55 (48) 99611-8502
contato@sitioflorabioativas.com.br
28.266.147/0001-47
Top